quarta-feira, 13 de abril de 2011

I can hear the bells!

Nunca achei piada por aí além a casamentos, tirando a parte dos vestidos de noiva que como boa rapariga que sou sempre tiveram um fascínio qualquer sobre mim. 
Quando era miúda eram os eventos sociais da minha vida, correr o altar todo, com as alianças na mão toda orgulhosa como se me tivessem dado a tarefa mais importante enfiada naqueles vestidinhos horríveis cheios de lacinhos, tule e flores. Mas com o tempo perdi o encanto por eles, achava que era uma cerimónia completamente ridícula que só servia para gastar dinheiro e fazer show off quando se as pessoas queriam realmente assumir um compromisso podiam fazer de uma forma muito mais simples e mais íntima. 
Até que em momentos mudei completamente de opinião.
Depois de um ano e meio a ajudar a organizar um casamento, a pensar em pormenores que nunca me tinham sequer passado pela cabeça, depois da busca pelo vestido, pelas ofertas, da escolha da ementa, do bolo e de tudo o que engloba um casamento o dia chegou. 
E no domingo, quando vi uma das pessoas mais importantes da minha vida a casar-se, em segundos a minha opinião sobre casamentos estava completamente errada. Um casamento é uma coisa completamente diferente quando é alguém que faz parte de nós próprios, que nos moldou e nos acompanhou a vida toda. 
Mudou quando vi a minha irmã com os olhos a brilhar e com o ar mais feliz do mundo. A ser entregue pelo meu pai, com o ar mais confiante de sempre. A mudar a vida dela em segundos, a tomar uma das decisões mais importantes que ela alguma vez tomou com uma certeza inabalável de que fez a escolha certa.
Afinal os casamentos não são apenas espectáculo. Servem para mostrar ás pessoas o que escolheram, o caminho que decidiram seguir e que estão confiantes no final feliz.
Durante anos sempre fomos a minha irmã e eu. Nós as duas contra qualquer coisa. E no momento em que eu percebi que o P. ia ser uma constante na nossa vida, que ele agora era a família dela, durante segundos fiquei com um pequenino sentimento de nostalgia de que já não íamos ser nunca mais nós as duas, que ia mudar tudo. Mas depois de ver a minha irmã era impossível continuar a ter. Ela está completamente feliz e isso é tudo o que eu posso pedir para ela. Este foi o casamento mais real e com mais essência a que assisti. O que faz com que tenha sido o melhor.

[ E eu sei que vocês estavam cheios de saudades minhas, mas estas coisas de casamentos e frequências ao mesmo tempo, não dá muito tempo para o resto.]

12 comentários:

  1. bem foi uma descrição fantástica essa que fizeste! Compreendo bem o sentimento pois quando as minhas 2 irmãs casaram foi o mesmo! e é lindo vê-las assim tão felizes!
    Que tudo lhe corra bem :)
    **

    ResponderEliminar
  2. Também fiquei assim quando a minha irmã casou!
    Antes não achava piada nenhuma mesmo, depois a ver a felicidade dela mudou muita coisa!

    ResponderEliminar
  3. Adorei esta tua perspectiva! Eu acredito em tudo num casamento, e um dia também quero andar até ao altar de braço dado com o meu pai. E quero que vejam um brilhozinho nos meus olhos...
    Felicidades para ela :D

    ResponderEliminar
  4. Sem dúvida! Quando o casamento em questão é de alguém que nos é especial, olhamo-lo com outros olhos!! Felicidades para o casalinho! :D

    ResponderEliminar
  5. Concordo em pleno contigo. Eu só me casei pelo civil, e antes já vivia com o meu marido. Mas o casamento dá um toque especial à relação, algo mágico...

    Felicidades para a tua irmã.

    Beijinhos para ti. Sim, já tínhamos saudades!

    ResponderEliminar
  6. Nu fundo há algo especial...percebi isso no meu!

    ResponderEliminar
  7. As maiores felicidades ao casalinho!

    E sim, já tinha estranhado a tua ausência e já estava com saudades!

    Mas, foi tudo por boas causas :)

    Bjos

    ResponderEliminar
  8. Não importa a forma. Sim as pessoas.

    ResponderEliminar
  9. Eu adoro vestidos de noiva. E acho que o casamento em si, é um passo muito importante e bonito :D

    ResponderEliminar
  10. Não gosto lá muito de casamentos, mas desejo as maiores felicidades a quem se casa.

    ResponderEliminar