terça-feira, 4 de outubro de 2011

Nove anos. Como é que já passaram nove anos?

Hoje surgiste em conversa e foi das primeiras vezes que conseguimos falar de ti e rirmos-nos de histórias tuas, das tuas "estupidezes" tão características de forma natural. 
Lembrei-me que já passaram nove anos. Consegues imaginar? Nove anos? Parece que foi ontem. Fogo, parece que foi à alguns minutos! Estamos todos nove anos mais velhos, mas nem por isso menos parvos. Sabes como é, nunca vamos conseguir deixar de ser uma família completamente idiota. Mas a melhor de todas, na mesma. A vida mudou muito em nove anos. A M. está a tentar engravidar depois de quatro que deram mal, estamos todos a torcer por ela como nunca. Ela e o J. continuam como sempre, o super casal do século, mas lá está, parvos como sempre. O T. assentou, está junto há 5 anos. E sim, com a mesma. Consegues imaginar? O T. com alguém mais de um mês? Já têm a casa que ele sempre disse que ia ter, com piscina e cheia de cães! A tua irmã está na mesma, a voz da consciência de nós todos, ela e o N. estão a pensar ir viver juntos. O teu irmão está licenciado, a trabalhar na área e feliz e mulherengo como só ele consegue ser. É o que dá ser tão giro! A minha irmã casou-se. Está completamente feliz. Aposto que ela se ia rir na tua cara e dizer "Vês como arranjei alguém que me aturasse? Toma!!"  A T. tem dois filhos! Dois! Sim, dois, já! Devias vê-los, os putos são o máximo! O C. está como sempre, a curtir e a aproveitar a vida só como ele sabe.  Agora tem um filho (Sim, o C. tem um filho!!), foi baptizado com o teu nome. E sacaninha como ele é, acho que não é só o nome que ele vai herdar de ti! A A., o H., os D's., , já não são mais as crianças que conhecias. Estão grandes, a fazer pela vida. A C. já não conheceste, mas é a cara da mãe! Ela e a I. são iguaizinhas!Devias ver os D's nas primeiras aventuras com as miúdas, só rir!
Eu estou aqui, era uma criança quando isso aconteceu, tornei-me adulta a sentir a tua falta. Ainda não compreendo o porquê do que aconteceu e sei que isso é uma questão que me vai assombrar toda a vida. Cresci a ter de viver contigo apenas na consciência, a sentir que faltou sempre alguma coisa. Mas sei que isso me tornou mais forte, me ajudou a lidar de outra forma com a dor e sei que grande parte do que me tornei é porque já tive de passar por algo que me obrigou a ver as coisas de outra maneira, me obrigou a tornar mais humilde e menos inconsciente. O que fez com que de alguma forma, mesmo sem estares presente, me ajudaste a crescer tal como fazia quando cá estavas.
A vida é a mesma por aqui, os natais e a páscoa são iguais a sempre. Os encontros de família nunca mudam. Somos nós, apenas nove anos mais velhos. Os teus pais, os meus pais, o resto dos tios, os avós, nós todos, nunca mais fomos os mesmos depois de ti. Foi isso que mudou. A tua presença. 
Passaram nove anos e aqui estamos nós. Continuamos a discutir, a rir,  a conversar horas seguidas em volta de uma mesa. A fazer coisas parvas e a gozar uns com os outros. 
Nove anos desde que foste. Nove anos em que nunca mais fomos os mesmos. Em que descobrimos o que é sentir todos os dias a falta de uma pessoa. Em que sentimos na pele o tom preto que ás vezes a vida pode ter. Nove anos em que a palavra "saudade" está connosco a toda hora. Em que choramos ás escondidas para não lembrar os outros de tudo o que já nos fez chorar. Nove anos mais velhos, mas a sentir a tua falta com a mesma intensidade de sempre. Nove anos mais velhos, mas com a tua presença imortal sempre ao nosso lado. O que nos acalma é sabermos que de alguma forma, ainda vamos estar juntos de novo. Estúpidos como sempre, felizes sem a sensação que há sempre alguma coisa que falta. 
Adeus H. Foi bom falar contigo. É bom lembrar-me da tua presença de vez em quando, mesmo quando a tua ausência é sentida todos os dias. 

6 comentários:

  1. Ai, até me deixaste com uma lágrima no canto do olho, rapariga!
    A saudade dói mesmo, mas sempre nos ajuda a sermos mais maduros, tal como disseste. Mas estou certa de que a pessoa a quem te referiste haverá de se orgulhar dessa família maravilhosa. (:

    ResponderEliminar
  2. Fantástica a forma alegre com que falas de uma ausência provocada por um acontecimento triste. É bom ler textos assim, dão força para quem sofre destes desgostos... no fundo toda a gente!

    ResponderEliminar
  3. Lamento saber... a ausência de alguém que nos fez bem nunca deixa de doer.

    ResponderEliminar
  4. Quando se trata da ação 'sentir saudade', não há tempo que a meça, um dia é como mil anos e mil anos como um dia. :)

    ResponderEliminar