quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Sim, hoje a Catarina vai falar de um assunto sério.

Estou neste momento a passar por uma situação familiar mais sensível, em que tenho um tio a precisar de um transplante cardíaco. É uma situação complicada, é preciso esperar por dadores, conseguir que seja compatível e por muito grande que seja a taxa de sucesso, ainda continua a ser uma das operações mais arriscadas de todas. 

Antes de ele voltar para casa, ainda no hospital, em conversa com a médica responsável pelo caso dele, estávamos a falar sobre as dificuldades de muitas vezes arranjar dador (portanto, tem de morrer uma pessoa e deixar o coração em bom estado, não é uma situação fácil.) em que ela disse que na maioria dos casos a média de espera é de 2/3 meses, chegando a haver casos em que chega a ser dias. Claro que há situações mais chatas em que têm de esperar cerca de um ano ou dois, mas felizmente são situações mais raras. Ela também disse que um dos problemas em não arranjar dadores mais rápido é que ainda existe mesmo muita gente que assina aquele papel em como se recusam a permitir a doação de orgãos.

E eu só acho que isso é de um egoismo extremo. Actualmente, a não ser que haja um papel a     negar isso, os órgãos são aproveitados imediatamente. Eu sei que não deve ser nada fácil para a família e nestas alturas isso é uma coisa em que não se quer pensar. Mas quer dizer, estamos a falar de salvar vidas! Nunca se sabe quando pode ser a nossa em risco. E pelo menos as coisas têm de ser vistas pelo lado positivo, uma parte dessa pessoa vai continuar vida. Tenho um primo que faleceu há uns anos e já mais do que uma vez ouvi dizer a minha tia que uma das coisas que lhe deu mais consolo nessa altura, foi saber que pelo menos uma parte do meu primo continuava cá.

Acho que da mesma maneira que existem pessoas que assinam papeis a recusar salvar a vida de alguém, ao mesmo tempo deviam assinar um em que caso de virem a necessitar, também não iriam ter direito a receber. Pode ser que assim as pessoas comecem a deixar de parte do egoísmo e a pensar que da mesma maneira que podem salvar vidas, também pode ser a delas a precisar de ser salva um dia. Há casos que são situações de vida ou de morte, que podem correr muito mal porque há pessoas que simplesmente não querem doar órgãos. De uma forma dura, estamos a falar de doações de pessoas que já morreram, não vão precisar deles!

Temos de começar a pensar mais no resto das pessoas e parar de olhar só para o nosso umbigo e parar de achar que só o nosso pequeno mundinho é que é importante. Temos de nos aperceber que todas as vidas são importantes, todas as pessoas têm direito a tentar todas as oportunidades, não são só os nossos.
Por isso, pelo bem de todos, vamos deixar de pensar só em nós, está bem?

7 comentários:

  1. Nem mais, concordo com tudo o que escreveste! As melhoras do teu tio...

    ResponderEliminar
  2. Antes de mais, quero desejar-te as melhoras do teu tio, e desejo mesmo que não tenham uma longa espera! Não é estar a desejar a morte de alguém, mas é a desejar a salvação de outrem, salientando que morre muita gente nas estradas hoje em dia ... é estranho falar sobre isto, mas é verdade!! Acho perfeitamente egoísta a escolha que as pessoas fazem de não doarem os órgãos. E não consigo entender o porquê dessa escolha. A sério que não!

    ResponderEliminar
  3. Eu revi-me nas tuas palavras.... a doação de órgãos é deveras importante, pois na altura em que alguém morre, pode salvar-se a vida de outra pessoa!
    Espero que o teu tio melhore rápido. Beijinhos*

    ResponderEliminar
  4. concordo com que escreveste e como abordaste este assunto...é certo que poucas pessoas pensam assim como tu. Sempre pensei em não doar nada que é meu, e continuo com essa ideia. Pode ser que mude.Nem sempre temos as mesmas vontades e certezas. Só gostava que algo meu fosse para um corpo certo e não fosse desperdiçado. Já que eu me cuido para conseguir aguentar mais uma vida.
    Nem sempre o que doamos é levado como um "presente", pegam naquilo e se não der certo, colocam no lixo como se fosse um pedaço de carne morta o que é. Há quem tenha medo dessas coisas.
    espero que o teu tio fique bem e as melhoras..

    ResponderEliminar
  5. p.s: não sou egoísta é só a minha maneira de ver as coisas.
    Se for para doar um rim estando eu viva a uma pessoa que não teve o seu devido cuidado, recuso-me.

    ResponderEliminar
  6. Concordo com esta visão sobre a doação de órgãos. Tenho pena que nem toda a gente pense da mesma forma e se percam vidas à custa disso.

    ResponderEliminar
  7. Concordo plenamente com o teu ponto de vista. Que tudo corra bem para o teu tio. Beijos***

    ResponderEliminar