segunda-feira, 5 de março de 2012

A vida e a merda que ela consegue ser. E porque nem só de dias felizes vive este blogue.

Já aqui vos falei da M.
A M. é a minha prima que andava à vários anos a tentar ter um bébé. Já tinha tido muitos tratamentos e  quatro gravidezes falhadas que não chegaram ao terceiro mês. Agora, pela primeira vez chegou quase aos cinco, fez as 21 semanas! Uma gravidez de alto risco com muita medicação e repouso à mistura. 
Uma menina, a baby M. (mas não M. de nome igual á mãe porque isso é nhé.).
Podem imaginar como a M. e o J. estão felizes. Já fizeram uma data de exames e todos dizem que está tudo bem. Não conheço muita gente que seja tão notoriamente talhada para ter filhos mas dizem que é assim que as pessoas são quando querem muito filho.
Percebem o que custa e tornam-se excelentes pais mesmo antes de o chegarem a ser.
Na quarta feira a M. entrou em trabalho de parto e começou com contracções. Antes das 25 semanas não existe hipótese de sobrevivência e entre as 25 e as 32 a probabilidade de não haver sequelas é muito baixa.
Descobriu-se que o útero dela não aguenta o peso do feto e abriu. Além disso devido à medicação que estava a tomar por causa da gravidez estava sob risco de hemorragias internas. Mesmo assim havia hipótese de aguentar mais algumas semanas a gravidez se entretanto não se descobrisse que devido ao problema estava com infecção de 8,3 (a partir dos 9,5 induzem em coma), o que é muito grave.
Chegou a um ponto em que se punha a questão, ou se salvava a mãe ou morriam as duas. Tiveram de a fazer abortar de emergência, com ela já a correr um risco de vida enorme.
Podem imaginar como é que estão a M. e o J. neste momento, aliás, como estamos todos. Na nossa mente, é como se perdêssemos um membro da família.
Dizem que nestas alturas é ter fé que vai melhorar e andar em frente. Mas ter fé, como?
Se realmente existe um Deus que quer que tenha-mos fé, onde é que ele anda na merda destas alturas? 

11 comentários:

  1. Ai pá! nestas alturas so apetece dizer M*rd* F$d&-s*..Raio. Que dor, que tritez..
    Tadinha dela.

    Que tudo corra bem..e Muito carinho é o que ela precisa <3

    ResponderEliminar
  2. Tudo o que tem acontecido ultimamente no mundo e na minha vida, levou-me a deixar de ter fé e de acreditar em deus. Não porque "ele não faz o que nós queremos" mas sim porque é sofrimento em dose tripla todos os dias. E para as crianças em África, não existe deus? É só para o Papa, que nada em ouro?
    Tenho uma situação parecida na família e em ultimo recurso, eles recorreram à adopção, que a meu ver, foi uma óptima opção! É menos uma criança sem pais e são mais dois pais sem sofrimento :)
    Nada acontece por acaso e se de facto eles não conseguem ter um bebe, por algum motivo é. Keep calm: todos os problemas têm uma solução!
    (adorei o teu blog, estou a seguir)

    ResponderEliminar
  3. Bem, que história! Quem me dera poder fazer algo! :(
    Mas espero que um dia eles consigam ter o filho que tanto desejam, já que o merecem mais que muitos pais que andam por aí.

    ResponderEliminar
  4. Nem sei o que te diga :( Muita força para aos teus primos e muito carinho.

    Acho que hoje em dia, quase toda a gente conhece alguem que quer, mas não consegue ter filhos. No meu caso, são os padrinhos da T. Tambem já fizeram carradas tratamentos, várias inseminações, mas infelizmente acaba tudo em aborto.

    É como se costuma dizer "Deus dá nozes a quem não tem dentes". Á tanta gente a ter filhos á toa, que os abandona, maltrata e que não merecem essa dádiva e depois há quem tem tudo do melhor para dar a uma criança e não consegue tê-los.

    Enfim, às vezes penso como a Scone, se calhar haverá uma razão para tal.

    Bjos

    ResponderEliminar
  5. É uma situação complicada!
    Nesse caso costumam fazer cerclagem, no caso dela não dá?
    Há poucos dias vi uma foto de uma mãe que para o bebé aguentar dentro dela a cama esteve praticamente toda a gravidez inclinada ao contrário... os pés mais altos que a cabeça... felizmente resultou!
    Espero sinceramente que tudo corra pelo melhor....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é isso que costumam fazer. Alias, quando já se sabe o problema fazem isso logo nas primeiras semanas de gravidez :P
      O problema no caso dela foi a infecção e o risco de hemorragias internas, não houve hipóteses de fazer. O mais provável era naquele nível de infecção a placenta e o feto estarem já infectados e não haver mesmo mais nada a fazer.

      Eliminar
    2. :(

      Espero que corra tudo da melhor forma...

      Eliminar
  6. Em primeiro lugar espero que corra tudo pelo melhor à M. E lamento imenso a baby M. já não estar presente, já era amada, muito amada e nem pode respirar o mesmo ar que nós respiramos. As palavras não fazem muito sentido nestas alturas porque buscamos respostas directas e concretas. E o que mais posso desejar-vos é força, muita força.

    ResponderEliminar
  7. Acho que não muito que se possa dizer nestes casos, faltam as palavras, a dor sobrepõem-se a tudo.
    Espero que o tempo atenue a dor, e devolva a esperança...

    Bjo

    ResponderEliminar
  8. Lamento imenso. Se conseguires lê o artigo da Sónia Morais dos Santos, sobre o tema. é muito forte, mas está encantadoramente triste e bem escrito.

    ResponderEliminar