sábado, 10 de novembro de 2012

A merda do cancro.

O cancro deve ser, quase de certeza é, das piores coisas que alguma vez existiram neste mundo. 
O cancro ataca precisamente quem não deve, como se tivesse uma lista negra de pessoas a quem ir. Ou quem é demasiado novo para isso, quem sustenta uma família, quem deixa filhos pequenos, quem faz realmente falta na vida de alguém e vai ter sempre aquelas pessoas que quando sabemos que foram atingidas por esta merda de doença só conseguimos pensar: "Mas porquê ele(a)?".
O problema do cancro, não é, nos piores casos que infelizmente são demasiados, levar à morte da pessoa. Porque como dizia o outro, para morrer basta estar vivo e existem milhares de formas de morrer. Aliás, quantas vezes já não nos rimos com aquelas estatísticas de pessoas que por ano morrem com côcos que caiem na cabeça e máquinas de venda de comida que os atacam, embora isso na realidade não tenha grande  piada? 
Não. O problema do cancro é ir-nos tirando tudo aos bocadinhos. Em primeiro leva-nos a saúde. Depois leva-nos a felicidade ao ver as pessoas à nossa volta sofrer. Leva-nos o cabelo, muda-nos o corpo. Leva-nos as forças para sair, para andar, ás vezes até mesmo para nos alimentarmos. Leva-nos as cores da vida e deixa tudo preto. Leva-nos os divertimentos, as pequenas coisas que dão cor aos nossos dias e traz-nos o branco do hospital, traz-nos a quimioterapia e os medicamentos. E quando decide não parar e dá o ataque final, traz-nos a perda lenta da consciência, as dores horríveis, a perda das últimas memórias felizes excepto pelos raros momentos de lucidez em que sabemos que é o fim e só nos queremos despedir e acabar de vez com o sofrimento. A merda do cancro leva tudo e no final deixa um corpo irreconhecível e doente que nada tem a ver com a pessoa que conhecíamos. A merda do cancro chega e só deixa tristeza no caminho, só deixa medo e desespero. 
Já perdi uma pessoa muito próxima com cancro e assisti a todas as etapas cada vez mais negras até chegar o fim. Já tive outra pessoa próxima que passou por ele, mas felizmente foi dos casos felizes que consegui ultrapassar a merda que é esta doença. 
Hoje perdi mais uma familiar próxima vítima desta merda. Que mais uma vez passou por todas estas fases de merda. Mais uma pessoa que nós pensamos "Foda-se, mas porquê ela?". Uma pessoa que deixa quatro filhos entre os 4 e os 16 anos. Que só faz toda a gente pensar, mas que raio é que vai ser destes miúdos? Perderem a mãe assim? Tão cedo e de uma forma tão injusta e tão revoltante. 
E eu ao ver isto tudo muito mais vezes do que aquilo que alguma vez desejei ver, só penso para mim e peço vezes sem conta, que além de não ter de ver mais ninguém querido ir embora com esta merda, quando chegar a minha hora, que não seja com cancro. Porque não sei se sou corajosa que chegue para passar por isto tudo. Porque não quero sofrer aquilo que já assisti sofrerem, nem quero que as pessoas à minha volta sofram esta forma horrível de sofrer, que é saber que a morte vai chegar em breve e não há nada que se possa fazer, não há dor que se possa acalmar. 
E lembro-me disto tudo e peço ainda com mais força, que quando a vida me levar que me leve de uma vez. Mas não me dê cancro. A merda do cancro. 

15 comentários:

  1. É horrível, é doloroso, é injusto e triste. O cancro é das piores mortes, das mais lentas e massacrantes. É daquelas que ninguém merece, não só pela pessoa em si mas por todos aqueles que estão a sua volta que sofrem dia após dia na angústia de não poder fazer nada por quem se ama. O mais triste é que cada vez é mais comum esta doença.

    Neste momento é pensar que essa pessoa parou de sofrer e tentar ser forte.
    Os meus sinceros sentimentos e muita força.

    ResponderEliminar
  2. Lamento imenso a tua perda. Uma perda mesmo muito ingrata :( sê forte *

    ResponderEliminar
  3. acabei de ler lavada em lágrimas. felizmente nunca tive que assistir a essa situação com alguém próximo, e espero nunca vir a ter.

    sabes, está quase a fazer um ano que a minha avó morreu. e lembro-me perfeitamente de no meio de toda a dor, ter agradecido por ter sido tudo tão rápido, por não ter sofrido ela e nós todos durante dias, semanas, meses, anos... e ainda agora, lavada em lágrimas a relembrar todos aqueles momentos, continuo a agradecer.

    ResponderEliminar
  4. é uma merda é verdade, algo terrivel. contudo, é preciso ter esperança que no final, tudo corre bem - pelo melhor.

    ResponderEliminar
  5. Eu já perdi algumas pessoas com essa doença estúpida, inclusive uma pessoa que amava muito muito, era uma das pessoas mais importantes da minha vida. Também quando morrer quero que seja de forma natural e sem nenhum doença, é que para além de ser mau para nós em muito muito mau para as pessoas que nos rodeiam.
    Beijinho minha linda.

    ResponderEliminar
  6. Incrivelmente assustador, preferia morrer de repente a ficar a definhar aos poucos. :(

    ResponderEliminar
  7. tb é algo pela qual nao gostaria nada de passar... nem ver alguem chegado a passar :(

    ResponderEliminar
  8. um dos meus professores diz que «quem não morrer de outra coisa, acabará por morrer de cancro» ... sendo assim, prefiro morrer antes que o cancro me agarre, que realmente é uma doença muito dolorosa :/

    ResponderEliminar
  9. Temos que acreditar que a medicina avança todos os dias e que o diagnóstico precoce é muito importante. O meu marido teve um, e há um ano que está tudo estável, temos que acreditar!

    ResponderEliminar
  10. Como compreendo essa revolta!:( Muita força querida*

    ResponderEliminar
  11. Lamento muito a tua perda, querida. Se é verdade que não existem formas "boas" de morte também é verdade que concordo que seja uma das mais dolorosas.

    Beijo grande e força!

    ResponderEliminar
  12. Lamento imenso! Eu sei o que isso é, já passei por isso e é, no mínimo horrível. Como tu dizes, o cancro leva tudo e o pior (para mim) é o que todas as pessoas sofrem, não só aquelas que padecem desse mal como as que as rodeiam e se preocupam... Beijo grande e força*

    ResponderEliminar
  13. Pior ainda é descobrires que tens um cancro aos 21 anos. Um dia de cada vez. :)

    ResponderEliminar